REDE MÍDIA LAB

Um “fablab” é uma abreviação para “laboratório de fabricação” em inglês, que nada mais é do que um espaço em que pessoas de diversas áreas se reúnem para realizar projetos de fabricação digital de forma colaborativa, sendo assim possível gerir o  potencial para capacitar indivíduos a criar dispositivos inteligentes para si mesmos. Estes dispositivos podem ser adaptados às necessidades locais ou pessoal, criando soluções economicamente viáveis e ecologicamente sustentáveis.

E foi inspirado neste conceito, juntamente com a popularização da produção de conteúdo utilizando smartphones, que  foi criado o projeto “MIDIALAB” com o objetivo mobilizar os jovens para serem efetivamente autores de seus processos criativos, tanto individuais como coletivos, bem como desenvolver o senso crítico e promover estratégias para a inclusão dos mais diversos segmentos sociais culturais e artísticos pela utilização de dispositivos móveis, criando novas experiências por meio de realização midiática.

SOCIAL

INTERAGIR COM A COMUNIDADE

LOCAL

FAZER A DIFERENÇA NA SOCIEDADE

DISPOSITIVO

APROPRIAR-SE DAS TECNOLOGIAS

O projeto Rede MIDIALAB pretende criar uma rede de produção de conteúdo em áudio, vídeo, foto e texto de caráter comunitário e juvenil, utilizando a internet e os celulares para produzir, veicular, estudar e discutir informações nas mais diversas mídias para assim alimentar a pluralidade de expressões, sendo o objetivo principal fazer com que os adolescentes teçam, dia-a-dia, uma rede marcada pela diversidade, criatividade e participação crítica em suas comunidades.

Os alunos participam de atividades de formação (produção e análise de conteúdo) com acompanhamento da equipe do projeto formada por profissionais e estagiários de comunicação. Estes jovens irão produzir conteúdos e alimentar a Rede MIDIALAB com novidades em projetos sociais, manifestações culturais, registros de histórias locais, debates sobre os problemas do universo adolescente e boas iniciativas.  No lugar de um programa de rádio, um podcast; ao invés de um programa de tv, um canal nas redes sociais; um jornal impresso que poderá virar um blog de notícias; e quem sabe até uma agência de produção de conteúdo online e regionalizada.